Entrevista: Cintia Nagano

É a primeira vez que publico esse tipo de post aqui no blog, uma entrevista, mas não é a primeira vez que publico um relato de um desafio conquistado por um(a) amigo(a) corredor(a). A ideia na verdade surgiu quando eu pedi a minha amiga de assessoria Cintia Nagano para escrever um texto contando um pouco sobre o desafio do Dunga na Walt Disney World, que ela participou em Janeiro deste ano. Aí ela me deu a ideia do post ser em forma de perguntas e respostas.

Pra quem não sabe o que é o Desafio do Dunga na Disney, é um evento esportivo, especificamente de corrida de rua, onde os corredores participam de 4 corridas durante 4 dias seguidos, sendo que na quinta-feira a corrida é de 5km, na sexta de 10km, no sábado de 21km e no domingo a maratona. É um super desafio, e não é pra qualquer um. Admiro demais quem consegue completar as 4 provas. Como premiação, todos os atletas concluintes ganham uma medalha para cada distância percorrida, uma quinta medalha por ter feito a meia maratona e a maratona, e uma sexta medalha por ter feito as 4 corridas. Haja pescoço para carregar todas as medalhas depois de percorrer mais ou menos 78km num final de semana.

Vamos à entrevista!

DC: Como surgiu a ideia de participar do Desafio do Dunga?

CintiaProgramei uma viagem para Disney de Orlando para janeiro de 2013, época das corridas. A intenção era fazer inscrição para meia maratona, mas, quando vi a medalha comemorativa dos 20 anos da maratona da Disney, resolvi inscrever-me para ter aquela linda medalha. Naquela época treinava sozinha há pouco mais de 3 anos, tinha apenas 4 meses para me preparar: peguei uma planilha de “maratona para iniciantes” do aplicativo Runkeeper e segui dicas e orientações contidas no livro “Marathoning for mortals”, de John Bingham/Jenny Hadfield. Terminei a maratona em 5h41min: esse tempo todo só pensando em receber a medalha e que seria minha primeira e última maratona. Minha amiga Thamara tinha feito o Desafio do Pateta (meia maratona+maratona) e ficou esperando por mim na linha de chegada. Comemoramos, e ela disse que em 2015 o Desafio do Pateta completaria 10 anos e que certamente teria medalha especial. Minha resolução de não correr mais maratonas acabou naquele exato momento!

No final de 2013, entrei para Evolua para me preparar adequadamente para o Desafio do Pateta em 2015, que até então era o maior desafio. Em 2014 lançaram o Desafio do Dunga: 4 dias de corridas em 4 dias seguidos: 5km (Pluto), 10km (Minnie), 21km – meia maratona (Pato Donald), 42km – maratona (Mickey). Assim, já que em 2015 estaria lá de qualquer forma, decidi ir para o desafio maior, o Desafio do Dunga.

DC: O que foi mais difícil, os treinos ou o desafio em si?

Cintia: Na minha opinião foi o treinamento! Em 2014 foram 1.785km de treino/corrida, sendo 665km específicos para o Desafio do Dunga. Treinava de 4 a 5 vezes por semana, participei de 5 meias maratonas, fora os longões acima de 20km, fiquei com unhas roxas, perdi algumas, não usava mais salto alto, 2 tênis gastos em menos de 6 meses de uso...Precisava “estudar” o percurso: se tinha banheiro, ponto ou venda de água, se havia segurança e como não sou uma corredora rápida, achei que ficaria muito tempo sozinha.

Mas quem tem amigos, tem tudo! Recebi muito apoio e energia positiva da família Evolua! Denyse, nossa primeira Dunga, deu inúmeros conselhos, que usei sem moderação. Do nosso grupo “Treino Meninas”: você, Dri, Gigi, Ingrith, Letícia, Luciene, Marisa e Rosana que fizeram companhia em muitos treinos; do Tepe não tinha longão na planilha dele, mas me acompanhou em alguns e ainda me batizou de "Dungano" e Joelma, minha colega de trabalho que é maratonista, fez vários treinos e corridas comigo como se fosse para o desafio também.

Faltando 3 semanas para as provas, resolvi fazer um “minidesafio”: 5km na quinta, 10km na sexta, 18km no sábado e 34km no domingo. Acordaria às 3 da manhã, faria o café da manhã proposto pela nutricionista, começaria o treino na hora provável da minha largada (6h05) e levaria suplementação, hidratação e identificação. O primeiro porém: na época do horário de verão, as ruas ainda estavam muito escuras e vazias, por isso só podia começar quando o dia clareava. No sábado, dia de treino coletivo, estava quase surtando, pois não estava seguindo o minidesafio à risca, pensando como seria difícil no Desafio do Dunga. Mas o tio Eder disse que era importante passar por aquilo, que na prova seria diferente, pois teria estrutura, muita gente fazendo a mesma coisa. No domingo, fui para o Eixão e descobri que, de ponta a ponta, ida e volta, tem 28km. E o pior: descobrir na subida, com sol a pino, que ainda faltavam 6km para completar o treino, me fez chorar igual criança contrariada... 

DC: Como você conseguiu conciliar os treinos com trabalho e a vida familiar?

Cintia: Tenho uma rotina estabelecida no trabalho que não exige reuniões externas, serviço em feriado, em final de semana ou viagens. Então, nesse ponto foi tranquilo. 

A vida familiar e social ficou mais comprometida. Como as provas acontecem em janeiro, não fui a quase nenhuma festa ou confraternização de fim de ano, não participei da véspera de Natal (longão no dia de Natal) nem de Ano Novo (por causa da viagem que foi na madrugada do dia 1º/01/2015). Mesmo com o apoio da família, não vou negar que houve dias mais difíceis, que fiquei mais aborrecida e cansada.

E toda mulher que corre uma maratona deveria receber uma medalha extra: trabalhamos fora E dentro de casa, estudamos, somos esposa/namorada/filha/irmã/mãe e ainda precisamos cumprir uma planilha de treinos com 50 a 60km/semanais sem perder a pose (risos)!

DC: Você teve alguma lesão ou problema de saúde durante o treino para o desafio?

Cintia: Devido a mudança de clima em Brasília no final do ano passado e o volume alto de treinamento, minha imunidade caiu e peguei um resfriado faltando menos de dois meses para o desafio. Diminui os treinos, descansei, reforcei a dieta e consegui me recuperar rapidamente.

Sigo o método “run/walk/run” do Jeff Galloway, atleta olímpico e consultor da Disney. Ele tem quase 70 anos e participou de todas as maratonas da Disney; fez o Desafio do Dunga e, na semana seguinte, estava na Disney da Califórnia para o Rebel Challenge. Para muitos, caminhar significa “quebrar” ou “parar”, mas foi dessa forma que cumpri meus longões e o desafio sem lesões ou fraturas. E como larguei no 11º “corral” (de 16), muita gente já havia largado e às vezes o percurso ficava estreito, ou seja, nem que quisesse correr o tempo todo conseguiria. Sei que com esse método não chego entre os primeiros, mas também não chego entre os últimos, o mais importante é que terminei inteira e com disposição para enfrentar a segunda “maratona” da viagem: parques e passeios.

Só destaco que é essencial, no momento que for caminhar, avisar ou prestar atenção em quem vem atrás para não esbarrar ou atrapalhar.


DC: Qual a sensação de correr dentro dos parques da Disney?

Cintia: “When you run Disney, every mile is magic!” – essa frase descreve TUDO! Não consigo explicar a emoção de correr pelos parques da Disney! É tanto entretenimento, personagens para tirar fotos, bandas de música, pessoas, voluntários solícitos e educados, falando seu nome, incentivando, batendo palmas.

São provas ótimas para conseguir um recorde pessoal pois começam cedo e os percursos são praticamente planos, mas como minha meta era voltar com as 6 medalhas, terminar as corridas dentro do tempo limite de prova, fui bastante conservadora e fiz meus maiores tempos nas corridas de 5km,10km e 21km, na intenção de guardar toda energia para maratona.

Apesar de ter descoberto horas antes que iria correr sem música (e isso já foi motivo para deixar de treinar) fui muito, muito confiante para os 42,195km! Lembrei das conversas nos longões, das dicas, dos conselhos, fazia cálculos convertendo milhas em quilômetros, curti o percurso, fiz a suplementação de acordo com a orientação da nutricionista, hidratei em todos os postos, isotônico a cada 2 postos... Com tanto líquido, precisei parar 3 vezes e mesmo assim finalizei a minha segunda maratona com 18 minutos a menos.

Além da organização, o que me encantou de correr na Disney foi ver gente de tudo quanto era tipo físico e idade, gente fantasiada, correndo por uma causa, se divertindo, não julgando e não sendo julgada por outros corredores. Achei o máximo que o maior percentual dos concluintes tanto na meia maratona como na maratona foi de mulheres! Também é muito legal ir para os parques desfilar com a(s) medalha(s) e receber cumprimentos de outros corredores, cast members e personagens.

DC: Quantas maratonas você já tem em seu currículo?

Cintia: Duas, ambas na Disney!

DC: Qual o seu próximo desafio?

Cintia: Como a demanda pelas maratonas está aumentando, o desafio agora é conseguir fazer a inscrição! A inscrição para o Dunga acabou em menos de 3 horas! Para o Rio de Janeiro, as inscrições esgotaram 5 meses antes da prova. Algumas, como New York ou Chicago, você tem de pagar para participar do sorteio de uma vaga para, aí sim, fazer a inscrição! 

Mas pretendo fazer algum desafio da Disney da Califórnia: Rebel Challenge ou Pixie Dust Challenge ou Dumbo Double Dare ou Infinity Gaunlet Challenge: 10km no sábado e 21km no domingo. Tenho uma "wishlist" de 3 maratonas que gostaria de participar (nenhuma Majors).

DC: Como é feita a inscrição, como foi definida a largada, como você ia e voltava das provas e o que você achou mais difícil no desafio?

Cintia: A inscrição é feita no site www.rundisney.com . Fiz em abril/2014 e custou, com as taxas e IOF (pagamento só pode ser feito no cartão de crédito), USD 600,00.

A largada é definida de acordo com o tempo previsto de conclusão da maratona, informado no momento da inscrição (coloquei 5 horas). Nas provas de 5km e 10km, os “corrals” eram de A a F e fiquei no C. Na meia maratona e maratona, eram de A a P e fiquei no “corral” K. Se você não informar, ou se informar mas não apresentar o certificado/prova de tempo em alguma prova acima de 10 milhas, será alocada no último “corral”.
Como as provas começavam muito cedo, entre 5h30-6h30 e precisava estar no meu “corral” até as 5horas, saía do hotel por volta das 3h30. Não queria acordar a família toda para me levar e nem queria dirigir sozinha de madrugada, por isso nos hospedamos em um dos hotéis da Disney – Pop Century, pois poderia contar com transporte em ônibus executivo para feira, para a largada e retorno para o hotel. 

A meu ver, foi bem difícil acordar 4 dias seguidos de madrugada e ficar esperando horas para largar, no escuro e num baita frio. Por exemplo, na prova de 5km, cheguei às 4 horas da manhã e só larguei às 6h30, ou seja, passei mais tempo esperando para largar do que correndo. Nas provas seguintes fui mais preparada e levei lanche, água, suco, saco plástico para sentar no chão.

DC: Qual conselho que você dá a quem vai correr a primeira maratona?

Cintia: Veja o que te motiva a fazer a maratona. No meu caso, foram duas medalhas comemorativas maravilhosas e conciliar viagem com corrida. Treine com orientação, não esqueça do trabalho de fortalecimento, invista no acompanhamento nutricional. Meus treinos mais longos não estavam rendendo, ficava sem disposição, consultei a Diana que é nutricionista esportiva e triatleta faltando apenas 2 meses para o desafio e já fez uma diferença enorme. 

Não hesite em conversar/desabafar com outros maratonistas: da experiência deles você pode extrair uma dica, uma palavra que pode dar outra perspectiva, uma outra forma de encarar o treinamento ou a prova. Você terá muito apoio e companhia dos amigos corredores.  No grande dia, haverá estrutura, muita gente com o mesmo objetivo, sentirá uma vibração incrível e muita energia positiva. Será a celebração de todo seu esforço e dedicação, portanto: DIVIRTA-SE!

Para concluir o post, quero agradecer a Cintia por ter dedicado um tempo para responder as perguntas do blog, parabenizá-la mais uma vez pela conquista, e dizer que ela é uma corredora muito generosa, pois reuniu as amigas e amigos para mostrar as medalhas e ainda deixou a turma colocá-las no pescoço para sentir um gostinho do desafio.

Comentários

  1. Dani, muita honra ver a entrevista no seu blog!
    Obrigada pela oportunidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cintia,
      eu que me sinto honrada em poder contar as histórias de desafios e conquistas de pessoas guerreiras e queridas como vocë!

      Excluir
  2. Uau, parabéns a sua amiga! Que conquista, hein?

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pra sua amiga, Dani!
    Lindas medalhas!

    ResponderExcluir
  4. Nossa... que legal essa ideia de post Dani! Adorei a entrevista. E quem sabe não roubo esse tipo de ideia para o meu blog também!
    Parabéns para tua amiga! Muito show!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Dani, ficou fantástico o post entrevista. Parabéns a Cintia pelas conquistas. Muito guerreira!!!
    beijos
    helena
    Blog Correndo de bem com a vida

    ResponderExcluir

Postar um comentário