Meia Maratona da Cidade do Rio de Janeiro 2015

Corrida tem gosto de coração acelerado, de suor, de sal, de um pouquinho de preguiça antes, mas também de ansiedade, e de dor no corpo depois. Mas principalmente, tem gosto de quero mais!


Neste último domingo, eu corri a minha quinta meia maratona! Dessa vez no Rio de Janeiro, minha primeira corrida no Rio. Cheguei na cidade maravillhosa na sexta-feira a tarde e já fui direto buscar o kit no Centro de Convenções SulAmérica perto do centro da cidade. Lá estava acontecendo a Expo Rio Run, um espaço dedicado a entrega dos kits, produtos e serviços voltados ao evento da maratona. 

A corrida aconteceu no domingo, com 3 distâncias diferentes. A Olympikus Family Run na distância de 6 km, e que foi com chegada e largada no Aterro do Flamengo. A Meia Maratona que teve a largada na Praia do Pepê na Barra da Tijuca e chegada no Aterro. E a rainha das provas de corrida de rua, a Maratona, com largada na Praça do Pontal Tim Maia e chegada também no Aterro do Flamengo. 

Eu fui pra minha distância preferida, os 21km, junto da minha super amiga Karla Santos que correu todas as minhas 5 Meia Maratonas comigo, a dela foi a 10a. 

Na véspera da corrida, após o jantar de massas, eu voltei pra casa e já estava ficando ansiosa pelo dia seguinte, nós precisávamos acordar cedo para ir para a largada que estava marcada para às 6:45 da manhã. Demorei a dormir no sábado a noite, fui pegar no sono quase meia noite. Acho que a ansiedade foi que me rendeu a dor de barriga na metade de prova. 

Saímos de onde estávamos hospedadas no Leblon às 5:45 para pegar um táxi em direção à Barra da Tijuca, preferimos ir de táxi, apesar da organização da corrida ter vendido vouchers para os corredores irem de ônibus do Flamengo à largada, porém para nós seria mais rápido ir direto do Leblon à Barra. Ao pegar o táxi a primeira surpresa, informamos ao taxista o local da largada e ele disse que não sabia onde ficava pois era novo no negócio. A gente já ficou preocupada, como assim não sabe onde é a Praia do Pepê? Aí ligamos o Waze no celular e fomos indicado ao taxista o caminho para a largada, o que foi ótimo porque o Waze nos livrou do engarrafamento no caminho, pois por conta da corrida, algumas vias já estavam interditadas. Chegamos a Praia do Pepê por volta das 6:15, tudo certo, cedo, com tempo de sobra para deixar nossos pertences no ônibus guarda-volume da organização, ir ao banheiro, dar uma rápida aquecida e ir para a largada.

A largada por categorias começou às 6:25, nós corredores amadores, largamos às 6:45 após a Elite Masculina.  O percurso da Meia Maratona sai da Barra no Pepê, passa pelo Túnel do Joá, Praia do São Conrado, sobe a Avenida Niemeyer, e é nela o único trecho de subida forte, do km 6 ao km 8, praia do Leblon, praia de Ipanema, Arpoador, Copacabana, avenida Princesa Isabel, Botafogo, Flamengo e Aterro. Sem dúvida, entre todas as 5 meia maratonas que fiz até hoje, esta tem a paisagem mais linda de todas! 

A corrida foi super organizada, muitos postos de hidratação com água, inclusive isotônico em saquinhos, o que eu achei o máximo, pois não precisamos parar para beber. Parabéns a Gatorade pela ideia! Só vi isso até hoje nessa corrida. Muitos banheiros químicos ao longo do percurso também. Na entrada de Copacabana estavam distribuindo frutas e biscoito doce.

Eu e Karla corremos juntas do início ao fim, uma sempre dando força a outra. Começamos com o pace entre 6:40 e 6:50 /km, tentando não se empolgar com as descidas. Eu me senti muito confortável até o 12o km, pois nesse ponto tive dor de barriga. Mas não me entreguei as dores, e logo ela passou, acho que era um misto de ansiedade, nervosismo, emoção, tudo ao mesmo tempo.    

Comecei a sofrer um pouco já em Copacabana, ou seja, mais perto do fim do que do começo, e ficava com esse mantra na cabeça para tentar fazer o sofrimento ir embora. "Já estou mais perto da chegada do que da largada, já estou mais perto da chegada do que da largada." Normalmente eu faço isso quando estou treinando sozinha numa distância mais longa e funciona, na Meia Maratona precisei andar em alguns momentos para tomar um fôlego, respirar mais fundo e continuar correndo.

Já no Botafogo, depois de passar pelo túnel da Avenida Princesa Isabel, senti a primeira cãibra no pé esquerdo, de repente meus dedos se contraíram e tive que parar para alongar, nunca havia tido cãibra durante uma corrida, e vou falar uma coisa, é uma sensação horrível, deu vontade de chorar. Alonguei um pouco, andei por alguns minutos e voltei a correr. Quando já estávamos passando pelo Flamengo, lá pelo km 19, senti cãibra no outro pé, do mesmo jeito, os dedos se contraindo e a dor forte, parei de novo, alonguei, bebi água, andei e voltei a correr, pois já estava no finalzinho. 

A essa altura, além da dor que eu sentia por causa das cãibras, comecei a sentir que o ar estava escasso, mas isso sempre acontece comigo no final das meia maratonas, já percebi que é mais de emoção do que de falta de condicionamento mesmo. 

Quando vimos o pórtico de chegada deu vontade de chorar, fiquei mais emocionada ainda, o Aterro do Flamengo cheio de gente esperando a chegada dos corredores, várias tendas de assessorias de corrida perfiladas no gramado, muitos atletas chegando junto, fotógrafos, câmeras, coisas que fazem o mais concentrado dos atletas se emocionar. 

Cruzamos a chegada e o choro veio em forma de um forte soluço de emoção. Karla até falou na hora que passamos a chegada: "pode chorar, amiga, nós terminamos." Nesse momento, uma repórter da TV Globo viu minha cara de sofrimento e veio me entrevistar querendo saber o que eu estava sentindo. Falei que era um monte de sentimento misturado, cansaço, felicidade, emoção, dor. Ela ainda me perguntou se tinha valido a pena, eu respondi que sim, mas nem consegui falar muito mais de tão cansada que eu estava. Infelizmente não fui pro ar! kkkkkk... E se fui não achei o vídeo. 

Meu desempenho ficou aquém do esperado, mas depois de uma gripe mal curada, dor de barriga e cãibras, ter terminado os 21km o tempo foi o que menos importou. Agora é continuar treinando pra mais 2 corridas esse ano, uma em Setembro e outra Meia Maratona em Novembro, e fazer os treinos e a alimentação direitinho para tentar um recorde pessoal. 

E a lição que fica é que a meia maratona não é simplesmente percorrer a distância, ela é mais longa do que normalmente corremos em nossos treinos, mas não tão longa que leve uma manhã toda para terminar e nem deve ser subestimada pelo fato de ser metade dos temíveis 42km! 



Comentários

  1. Parabéns, Dani! O teu relato sobre a meia maratona ficou muito bacana, imagino o tanto que deve ter sido emocionante.
    Abraço,
    Greice.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Dani, emoção resume o seu post!
    Bjs,
    Camila.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Camila!
      Foi emocionante desde a noite anterior até a chegada!

      Excluir
  3. Parabéns, Dani. Nem me fale dessas caimbras malditas, mataram minha maratona. Corri 11km com meu pé direito sem mexer. Que venham a próxima prova.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Ivan!
      Não desejo essas caimbras pra ninguém! Putz! Mas passou, agora é se preparar pras próximas!
      Um abraço.

      Excluir
  4. Putz, Dani, caimbra e dor de barriga? Que coisa hein? Sofri por você quando li o post!
    Mas parabéns por mais essa corrida.
    Bjs,
    Ana Paula.

    ResponderExcluir
  5. Putz, Dani, caimbra e dor de barriga? Que coisa hein? Sofri por você quando li o post!
    Mas parabéns por mais essa corrida.
    Bjs,
    Ana Paula.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ana!
      Foi sofrido mas valeu a pena demais.
      Beijo.

      Excluir
  6. Oi Dani,
    parabéns pela meia maratona! 5 já hein?
    Que pena que a entrevista não foi ao ar!
    Bjs,
    Giulia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 5, Giulia, e contando, porque logo mais virão outras!
      Beijo,
      Dani.

      Excluir
  7. Olá Dani,
    Parabéns. Você é um exemplo!!! Muito determina e ama o que faz. Adorei a descrição da sua experiência. Para quem não corre muito como eu, deu para entender o que vocês sentem. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pri, obrigada!
      É um sacrifício que vale a pena.
      Beijo,
      Dani.

      Excluir
  8. Amiga, já te disse isso mil vezes mas não canso de dizer, você é minha melhor companhia nas corridas (e em muitas outras coisas!) e é sempre um prazer correr ao seu lado! Muito orgulho da sua determinação pois vi seu sofrimento de perto mas nem por isso você desistiu! Parabéns! Que possamos correr muitas outras corridas juntas! Beijooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teremos muitas corridas, viagens e outros momentos juntas, amiga! Te adoro muitão!

      Excluir
  9. Dani, que legal! O Rio é massa demais! Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário