O barato da corrida

Um dia desses eu li que o exercício físico proporciona um "barato". Isso mesmo, estudos revelaram que a prática esportiva ativa as mesmas regiões no cérebro que a maconha. Gente, não tô aqui para causar polêmica nem muito menos fazer apologia às drogas. 

Quem não pratica exercícios, ou mesmo aqueles que praticam um pouquinho podem ser espantar com aquelas pessoas que acordam cedo para correr no parque, na rua, na orla, faça chuva ou faça sol. Eu sou exemplo disso, sempre quando me perguntam que horas eu costumo treinar, falo que gosto de treinar cedo para evitar o calor e não atrapalhar o horário de entrada no trabalho, e com isso evito também que outros compromissos possam atrapalhar meus treinos. Aí as pessoas se espantam "como você consegue levantar às 5:20 da manhã para correr? Até no horário de verão?" Sim, até no horário de verão. Sair da cama tão cedo no escuro é muito difícil, tem dias que a gente só quer dormir, mas depois que chego no treino tudo muda, meu dia fica melhor, me sinto bem, e quando não vou passo o dia todo com peso na consciência. 

Mas voltando aos estudos referentes ao barato da corrida, as pesquisas mais antigas especulavam que a origem do barato era causada pelo aumento dos níveis de beta-endorfinas, que proporcionam os mesmos efeitos da morfina. 

Uma descoberta mais recente detalha que estas endorfinas são grandes demais para passar pelos vasos sanguíneos do cérebro. Ao invés disso, afirma que o barato da corrida está conectado aos receptores canabinóides, envolvidos em uma série de processos psicológicos, que incluem apetite, sensação de dor, estado de espírito e memória.

Os resultados foram alcançados através de testes em que cobaias foram condicionadas a correr em uma esteira, e depois foram separadas em dois grupos. O primeiro grupo permaneceu inativo, enquanto o segundo correu na esteira por cinco horas. 

Em seguida, os dois grupos foram analisados, como foco nos níveis de ansiedade, comportamento no escuro e tolerância à dor. O grupo que correr mostrou os sintomas do barato, pois estavam menos ansiosos e foram capazes de tolerar a dor. 

O mesmo teste foi refeito mas, nesta segunda rodada, as cobaias receberam endocanabinóides e endorfinas antagonistas, que bloqueiam os efeitos a estas substâncias normalmente associados. Como resultado, as cobaias não mostraram sinais de terem sentido o barato.

O resultado revela que o conhecimento acerca dos receptores de canabinóides é um aspecto crucial para entender a euforia pela prática esportiva.

Comentários

  1. Que barato esse barato, hein?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O corpo humano é muito louco, né?
      Olha o que ele faz pra termos prazer!

      Excluir
  2. Olá Dani,
    de fato a endorfina tem o poder de dar prazer, melhora o humor, aumenta resistência e a disposição tanto física quanto mental.
    O que também estimula a produção de endorfina é o consumo de chocolate e pimenta. Comer chocolate pode gerar um prazer enorme.
    Abraço,
    Antônio.

    ResponderExcluir
  3. Que doido amiga!!!! Não sei se esse é o motivo, mas correr com vc, pra mim, não tem igual!!! 😉😘

    ResponderExcluir
  4. Excelente Dani. Sempre que termino um Ironman, no outro dia ainda dolorido já estou pensando no próximo, pois aquela sensação de dor misturada a alegria de ficar correndo 17 horas não tem igual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito louco isso, também tenho essa sensação quando termino minhas meia maratonas, já termino pensando no próximo desafio, a endorfina tá lá em cima!

      Excluir

Postar um comentário